Notícias


Webinar promovido pelo governo RS em parceria com embaixada e consulados dos EUA debate transição energética

Especialista afirma que o Rio Grande do Sul está fazendo um trabalho "brilhante" em energias solar e eólica
13/05/2022 Ascom Sema – Fepam | Edição: Secom - Foto: Itamar Aguiar / Palácio Piratini

As estratégias para viabilizar uma transição energética justa, focada na geração de energia limpa, foi tema de um webinar, na terça-feira, dia 10, promovido pelo governo do Estado, por meio das Secretarias do Meio Ambiente e Infraestrutura (Sema) e de Relações Federativas e Internacionais (Serfi), em parceria com a embaixada e consulados dos Estados Unidos no Brasil.

“Este tema é muito importante para o nosso governo. Dentro do nosso programa Avançar, que já anunciou R$ 6,3 bilhões em investimentos para todas as áreas, destinamos R$ 193,2 milhões para a sustentabilidade. São investimentos nas agendas do clima, água, energia e parques, sendo R$ 52 milhões apenas para projetos sobre energia”, disse o governador do Estado, Ranolfo Vieira Júnior.

A secretária da Sema, Marjorie Kauffmann, afirmou que o Rio Grande do Sul, assim como as maiores nações mundiais, vem se preparando para reduzir as emissões de carbono, e lembrou do compromisso assumido na COP26, de neutralizar as emissões de carbono no Estado em 50% até 2030.

“O Estado vem trabalhando fortemente em ações relacionadas ao clima. Atualmente nós reativamos o Fórum Gaúcho de Mudanças Climáticas, que tem como objetivo ampliar as discussões sobre o tema e apoiar a elaboração de um Plano Estadual de Mudanças Climáticas. Agora em 2022, nós nos tornamos membro da Under 2, uma coalizão de governos subnacionais que visa alcançar a mitigação das emissões de gases de efeito estufa, e aderimos ao Aca Brasil, uma aliança pela ação climática. Temos, ainda, outros projetos pelo clima em andamento”, adiantou Marjorie.

O cônsul-geral dos EUA em Porto Alegre, Shane Christensen, reforçou a necessidade de se reduzir a dependência mundial pelos combustíveis fósseis.

“Como tem se tornado cada vez mais claro para todos nós, as mudanças climáticas representam uma ameaça existencial que exige atenção urgente. Também é verdade que responder a essa ameaça oferece oportunidades concretas, tanto para os Estados Unidos quanto para o Brasil, à medida que transformamos nossas economias. Para isso, mudanças estruturais nas matrizes energéticas a curto e longo prazo são essenciais, migrando de um modelo com significativa dependência de combustíveis fósseis – como carvão mineral, no caso do Rio Grande do Sul – para uma matriz cada vez mais focada na geração de energia por fontes renováveis”, afirmou Shane.

Após a abertura, o evento contou com a mediação do secretário chefe da Casa Civil, Artur Lemos Júnior, que atuou como secretário de Minas e Energia (2017-2018) e do Meio Ambiente e Infraestrutura (2019-2021), e foi representante dos estados no Conselho Nacional de Política Energética.

Durante sua apresentação, Lemos demonstrou alguns eventos severos relacionados às mudanças climáticas, como estiagem, nuvem de gafanhotos e ciclones bomba. Em seguida, apresentou alguns dos compromissos assumidos pelo Governo do Estado relacionados ao clima, como a adesão às campanhas Race to Zero e Race to Resilience (Decreto 56.347), no âmbito da Convenção das Nações Unidas sobre Mudanças do Clima, e a assinatura da carta-compromisso com a agenda mundial para a descarbonização.

Após, a palavra foi dada à convidada Colette Honorable, especialista americana em transição e regulação de energia com reconhecimento global em eficiência energética, integração de energia limpa e armazenamento e desenvolvimento de infraestrutura.

Segundo Colette, “o Rio Grande do Sul está entrando em um momento significativo com relação a sua matriz energética e fazendo um trabalho brilhante em energias solar e eólica”. A palestrante ressaltou a necessidade em se ampliar o uso de biomassa e gás natural renovável para compensar fontes com maior intensidade de carbono, como o carvão e o petróleo.

Em sua apresentação, Colette compartilhou sua perspectiva sobre o papel do Brasil na transição para energia limpa, com base em sua experiência em ajudar as partes interessadas internacionais a entender e aprender as melhores práticas de regulação energética necessárias para apoiar a transição. Ela também falou sobre como os formuladores de políticas podem implementar uma estrutura para apoiar a transição para fontes limpas de energia.

Ao final, destacou que o projeto Hidrogênio Verde, em fase de implementação pelo governo do RS, será uma inovação tecnológica que permitirá uma boa transição energética.

WHATSAPP - Cadastre-se no Grupo de Notícias do Portal de Camaquã e receba novas informações todo o dia. Para se cadastrar automaticamente no grupo, clique neste link. 

TELEGRAM - Cadastre-se no Grupo de Notícias do Portal de Camaquã e receba novas informações todo o dia. Para se cadastrar automaticamente no grupo, clique neste link.

INSTAGRAM – Cadastre-se no canal do Portal de Camaquã e acompanhe as notícias em tempo real. Para seguir o Portal de Camaquã clique neste link

MAIS NOTÍCIAS