terça-feira, 6 de junho de 2017

SAÚDE - JUNHO LILÁS ASSINALA IMPORTÂNCIA DO TESTE DO PEZINHO PARA SAÚDE DO BEBÊ

O Programa Nacional de Triagem Neonatal, responsável pelo Teste do Pezinho, completa, nesta terça-feira, dia 6 de junho de 2017, 16 anos. Pela sua abrangência, essa é considerada uma das maiores ações de Saúde Pública do mundo.

Somente no Rio Grande do Sul, em 2016, foram mais de 130 mil exames feitos, o que corresponde que 95% das crianças nascidas fizeram a avaliação, a maioria delas gratuitamente pelo SUS. O teste permite o diagnóstico e consequente tratamento precoce, diminuindo ou eliminando as sequelas, de seis diferentes doenças.

Com algumas gotas de sangue coletadas do calcanhar do bebê é possível identificar a fenilcetonúria, hipotireoidismo congênito, anemia falciforme, fibrose cística, hiperplasia adrenal congênita e deficiência de biotinidase.

A maioria dessas doenças não apresentam sintomas nos recém-nascidos. O risco em não se diagnosticar precocemente é gerar sequelas graves, e até irreversíveis em alguns casos, no desenvolvimento da criança, que só serão perceptíveis tardiamente. Para maior eficácia, a Secretaria da Saúde (SES) alerta que o exame deve ser feito entre o 3º e o 5º dia de vida do bebê.

No RS, desde 2001 o Hospital Materno Infantil Presidente Vargas (HMIPV) em Porto Alegre é responsável pelas ações de Triagem Neonatal no SUS. Lá, são feitas mais de 60 mil análises laboratoriais mensais, que são enviadas a partir de aproximadamente 1,3 mil postos de coleta, distribuídos nos 497 municípios gaúchos.

Atualmente, 1.250 pacientes de diferentes faixas etárias e de todas as regiões do estado são atendidos por uma equipe composta por médicos pediatras, endocrinologistas, geneticistas, hematologistas e pneumologistas, profissionais das áreas de nutrição, psicologia e assistentes sociais.

Atividades do mês

Para comemorar o Junho Lilás estão programadas ações no HMIPV: confraternização de pacientes, familiares e equipe, além de atividades de capacitação e educação em saúde. Um dos eventos marcados é o 1º Seminário Estadual sobre Triagem Neonatal (TP), com foco nas UTI neonatais do estado, que ocorre no próximo dia 13 no próprio Hospital.

Acordo de Resultados

A qualificação da Triagem Neonatal faz parte do Acordo de Resultados, assinado por todas as secretarias e vinculadas, que consiste no acompanhamento dos projetos definidos como prioritários para serem executados pelo governo do Estado. Envolve o planejamento de indicadores de desempenho, ações e eficiência da gestão. Essa rede de governança prioriza as demandas da sociedade para construir um governo mais eficiente na aplicação de recursos, mais ágil e menos burocrático, que, de forma transparente, dialogue com a população e entregue serviços de qualidade.

Cobertura do Teste do Pezinho em 2016 no RS
Nascidos vivos: 141.181
Testes aplicados: 133.259 (cobertura de 94,5%)
Testes aplicados pelo SUS: 107.178 (76% do total)

Como é feito o exame?

O exame consiste na retirada de gotas de sangue do calcanhar do bebê. Por ser uma parte do corpo rica em vasos sanguíneos, o material pode ser colhido em uma única punção, rápida e quase indolor. O teste faz o diagnóstico de fenilcetonúria, hipotireoidismo congênito, anemia falciforme, fibrose cística, hiperplasia adrenal congênita e deficiência de biotinidase.

Quando fazer o teste?

O teste do pezinho deve ser feito entre o 3º e o 5º dias de vida do recém-nascido, pois esta é a maneira de descobrir estas doenças a tempo de tratá-las, impedindo o aparecimento das complicações.

Onde fazer?

O Teste do Pezinho é feito gratuitamente em mais de 1,3 mil Unidades de Saúde, em todos os municípios do Estado.

Doenças

Fenilcetonúria - É uma doença herdada dos pais, em que as crianças não conseguem desmanchar a fenilalanina, uma substância existente no sangue. A doença causa o acúmulo dessa enzima, que poderá afetar o cérebro e levar à deficiência mental. As crianças nascem normais, mas a medida que recebem alimentos ricos em fenilalanina (como leite e derivados, feijão, ovos, carnes, entre outros), passam a acumulá-la no corpo sem conseguir metabolizá-la. A frequência dessa doença é de um caso em cada 10 mil recém-nascidos.

Hipotireoidismo Congênito - É uma doença causada pela ausência ou pela reduzida produção do hormônio da tireoide, importante para o amadurecimento e funcionamento de vários órgãos, em especial o sistema nervoso central. A falta do hormônio provoca retardo neuropsicomotor acompanhado de lesões neurológicas irreversíveis, além de outras alterações corporais. O diagnóstico precoce pode prevenir o retardo mental das crianças que apresentam esta doença com tratamento simples de reposição de hormônios.

Fibrose Cística - Também chamada de mucoviscidose, a fibrose cística é uma doença genética, hereditária. Ela compromete o funcionamento das glândulas exócrinas (que produzem substâncias como muco, suor ou enzimas pancreáticas). O paciente tem má absorção de nutrientes e não ganha peso, apesar de alimentar-se bem. Quanto ao aparelho respiratório, o pulmão produz muco espesso que pode ficar retido nas vias aéreas e ser invadido por bactérias. Outros sintomas são tosse com secreção produtiva, pneumonias de repetição, bronquite crônica. Estimativas do Ministério da Saúde apontam um milhão e meio de portadores dessa doença no Brasil, muitos ainda sem diagnóstico.

Anemia Falciforme - É uma doença hereditária, em que os glóbulos vermelhos, diante de certas condições, alteram sua forma tornando-se parecidos com uma foice, daí o nome falciforme. Estes glóbulos alterados grudam-se uns nos outros, dificultando a passagem do sangue nos pequenos vasos do corpo, levando ao aparecimento de dor e inchaço nas juntas, anemia, infecções, entre outras consequências. O portador da doença falciforme, desde que diagnosticado precocemente, tratado adequadamente e acompanhado periodicamente pela equipe de saúde, pode ter uma vida normal.

Hiperplasia Adrenal Congênita - também chamada de Hiperplasia Congênita das Suprarrenais (HCS). É uma doença hereditária rara (um caso para cada 15 mil nascidos) caracterizada pelo crescimento exagerado do córtex da glândula adrenal e um defeito hereditário na biossíntese do cortisol. A pessoa com essa doença produz em menor quantidade os hormônios cortisol e aldosterona e em excesso os androgênicos, que são hormônios masculinizantes. Além disso, o decréscimo da produção de cortisol leva a um aumento do hormônio adrenocorticotrófico (ACTH) e estimula assim a produção de esteróides adrenais. Pode levar a morte nos primeiros 15 dias de vida, senão ocorrer diagnóstico precoce pelo Teste do Pezinho.

Deficiência de Biotinidase - doença genética caracterizada pelo mau funcionamento de uma enzima, a biotinidase, responsável por separar e liberar a vitamina biotina dos alimentos (vitamina B7 ou B8). Quando essa enzima não funciona adequadamente a vitamina não consegue ser liberada dos alimentos e, por isso, não é utilizada pelo organismo. Quanto mais cedo a deficiência de biotinidase for diagnosticada, mais rápido é iniciado o tratamento com reposição da vitamina biotina livre e menos chances terá a criança de manifestar os sinais e sintomas características da doença. (Texto: Ascom SES - Edição: Léa Aragón/ Secom)

 

0 comentários:

Postar um comentário

Comente essa notícia!

Você é a favor ou contra a compra da Usinde Asfalto para Camaquã, por cerca de R$ 5 milhões?

Você é a favor ou contra o Horário de Verão?

Você é a favor do trânsito na Bento Gonçalves ser única mão, próximo à rótula do Rua 7 de Setembro?

Como você avalia o Governo Ivo, nos três primeiros meses?

Você aprova a alteração de trânsito realizada na Av. Bento Gonçalves esquina com Sete de Setembro?

Você concorda em liberar os CCs de bater ponto, como ocorreu na Câmara de Vereadores da Capital?

O trânsito de Camaquã melhorou com a atuação dos agentes de trânsito?

Vereadores de Camaquã aprovaram o projeto que cria o estacionamento rotativo. Você é: